Currículo do Curso

 

CURRÍCULO DO CURSO
ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS
MGA310020 – Desenvolvimento do Trabalho de Conclusão
Para continuar “regularmente matriculado”, quando tiver cumprido todos os créditos em disciplinas, o aluno deverá matricular-se em “Desenvolvimento do Trabalho de Conclusão” até concluir o curso.
O aluno terá sua matrícula automaticamente cancelada e será desligado quando deixar de matricular-se por dois períodos consecutivos, sem estar em regime de trancamento. Consulte o Calendário Acadêmico para saber o período de matrícula.
Proficiência em Língua Estrangeira
A proficiência deve ser comprovada no ato da matrícula ou ao longo do primeiro ano no curso.
Seminários de Pesquisa
Preparação e apresentação do projeto da dissertação.
Defesa da Dissertação
Deve ser solicitada com, no mínimo, quarenta dias de antecedência da data da defesa.
DISCIPLINAS
Todas as disciplinas possuem Carga Horária de 45 horas/aula, contabilizando 3 créditos.: 3
MGA310002 – Métodos Estatísticos em Avaliação
PROFESSOR Marcelo Menezes Reis
EMENTA Planejamento de pesquisa; Coleta de dados: amostragem e censo; Análise Exploratória de Dados; Modelagem probabilística: axiomas e propriedades, variáveis aleatórias, modelos para variáveis aleatórias discretas e contínuas; Inferência Estatística: distribuições amostrais, estimação de parâmetros, testes de hipóteses. Correlação. Introdução à análise de regressão. Aplicações em solução de problemas práticos em decisão e modelagem científica a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de congressos. Planilhas eletrônicas e softwares estatísticos (ou linguagem R).
 MGA310003 – Avaliação e Indicadores Educacionais
PROFESSOR Rogerio Cid Bastos
EMENTA Medidas e instrumentos de medida. Validade e confiabilidade. Fundamentos e Objetivos das Avaliações Educacionais em Larga Escala; História e Dinâmica da Avaliação em Larga Escala no Brasil; Os Instrumentos Cognitivos e os Instrumentos Contextuais; As Medidas Psicométricas, os Indicadores e as Estatísticas de Qualidade da Educação; Análise dos Resultados das Avaliações e dos Modelos Contextuais; Perspectivas e Usos Possíveis dos Resultados das  Avaliações. Aplicações em solução de problemas práticos em decisão e modelagem científica a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de congressos. 
 BIBLIOGRAFIA ANASTASI, A.; URBINA, S. Testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed, 2000.
BARRETO, E.S.S.; PINTO, R.P.; MARTINS, A.M.; DURAN, M.C.G. Avaliação na educação básica nos anos 90, segundo os periódicos acadêmicos, in Cadernos de Pesquisa, n.º 114, nov., pp. 49-88. Brasilia, INEP, 2001
BONAMINO, A.; BESSA, N.; FRANCO, C. Avaliação da educação básica. Rio de Janeiro, Ed. PUCRio; São Paulo, Loyola, 2004.
CRONBACH, L.J. Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
GATTI, B.A.; VIANNA, H.M.; DAVIS, C. Problemas e impasses da avaliação de projetos e sistemas educacionais: dois estudos de caso, in Avaliação Educacional, jul-dez 1991, pp. 7-26. São Paulo, 1991.
GOMES NETO, J.B.; ROSEMBERG, L. Indicadores de qualidade do ensino e seu papel no Sistema Nacional de Avaliação, in Aberto, n.º 66, abr/jun. Brasilia, 1995.
KORTE, R.C.; NASH, B.E. Review of the Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB). Brasília, 1995. Relatório apresentado ao INEP, jun., 1995.
MAGNUSSON, D. Teoria de los tests. Mexico: Editorias F. Trillas, 1969.
MEDEIROS, E. B. Medidas psico & lógicas: introdução à Psicometria. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.
MUCCHIELLI, R. O questionário na pesquisa psicossocial. São Paulo: Martins Fontes, 1978.
PASQUALI, L. Os tipos humanos: a teoria da personalidade. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.
PASQUALI, L. Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.
PESTANA, M.I. O sistema de avaliação brasileiro. Brasilia, INEP, RBEP, vol. 79, n.º 191, pp. 65-73, 1998.
PILATTI, O. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica ? SAEB, in Ensaio, vol. 2, n.º 1, pp. 11-30, nov/dez. Rio de Janeiro, 1994.
PILATTI, O.; Equipe do SAEB. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica: objetivos, diretrizes, produtos e resultados, in Série Documental: Avaliação, n.º 1, mar. Brasilia, INEP, 1995.
PRIMI, Ricardo (org.). Temas em avaliação psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.
VIANNA, H.M. Avaliação do rendimento de alunos de escolas de 1.º grau da rede pública: um estudo em 15 capitais e 24 cidades. São
Paulo, Fundação Carlos Chagas,1995
WECHSLER, S.M.; GUZZO, R.S.L. (orgs.). Avaliação psicológica: perspectiva internacional. Segunda edição. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.
MGA310004 – Teoria de Resposta ao Item I
PROFESSOR Adriano Ferreti Borgatto e Dalton Francisco de Andrade
 EMENTA Teoria Clássica da Medida, Introdução ao traço latente, Principais modelos acumulativos e de desdobramento, Exemplos de aplicações da TRI em diferentes áreas do conhecimento, Estimação dos parâmetros dos itens (calibração) ? modelo dicotômico e um único grupo, Estimação das proficiências (traço latente), Construção e interpretação da escala de medida. Aplicações em solução de problemas práticos em decisão e modelagem científica a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de congressos.
 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, D.F.; TAVARES, H.R.; CUNHA, R.V. Teoria da Resposta ao Item: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística. (Disponível para download em www.inf.ufsc.br/~dandrade), 2000.
BAKER, F.B.; KIM, S-H. Item Response Theory: parameter estimation techniques. New Yook: Marcel Dekker, Inc. 2nd Edition, 2004
BOCK, R.D.; ZIMOWSKI, M.F. Multiple group IRT. In Handbook of Modern Item Response Theory. W.J. van der Linden and R.K. Hambleton Eds. New York: Springer-Verlag, 1997.
BEATON, A.E.; ALLEN, N.L. Interpreting scales through scale anchoring. Journal of Educational Statistics, 17, 191-204, 1992.
EMBRETSON, S. E.; REISE, S. P. Item response theory for psychologists. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., Publishers, 2000.
HAMBLETON, R.K.; SWAMINATHAN, H.; ROGERS, H.J. Fundamentals of Item Response Theory. Newburry Park: Sage Publications, 1991
KOLEN, M.J.; BRENNAN, R.L. Test Equating ? Methods and Practices. New York: Springer, 1994
LORD, F.M.; NORVICK, M.R. Statistical Theories of Mental Test Score. Reading: Addison-Wesley, 1968.
LORD, F.M. Applications of Item Response Theory to Practical Testing Problems. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1980.
MESBAH, M.; COLE, B.F.; LEE, T.M. Eds. Statistical Methods for Quality of Life Studies. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2002.
MGA310005 – Gestão da Avaliação Educacional I
PROFESSORES Silvia Modesto Nassar e Dilvo Ilvo Ristoff
 EMENTA Avaliação e o desenvolvimento profissional do gestor educacional. Políticas e Financiamento da Educação. Legislação em Educação. Educação Pública e Educação Privada. Pesquisa e Formação em Avaliação. Sistemas de Gestão Educacional. Sistemas e Modelos de Avaliação em Educação (SINAES, SAEB, ENEM, etc.).
MGA310007 – Teoria da Resposta ao Item II
PROFESSORES Adriano Ferreti Borgatto e Dalton Francisco de Andrade
EMENTA Equalização – modelo dicotômico para dois ou mais grupos. Modelos ordinal, nominal e de desdobramento da Teoria da Resposta ao I dimensionalidade, aplicações e estudos de caso. Aplicações em solução de problemas práticos em decisão e modelagem científica a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de congressos.
BIBLIOGRAFIA ANDRADE, D.F.; TAVARES, H.R.; CUNHA, R.V. Teoria da Resposta ao Item: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística. (Disponível para download em www.inf.ufsc.br/~dandrade), 2000.
BAKER, F.B.; KIM, S-H. Item Response Theory: parameter estimation techniques. New York: Marcel Dekker, Inc. 2nd Edition, 2004
BOCK, R.D.; ZIMOWSKI, M.F. Multiple group IRT. In Handbook of Modern Item Response Theory. W.J. van der Linden and R.K. Hamblet Eds. New York: Springer-Verlag, 1997.
BEATON, A.E.; ALLEN, N.L. Interpreting scales through scale anchoring. Journal of Educational Statistics, 17, 191-204, 1992.
EMBRETSON, S. E.; REISE, S. P. Item response theory for psychologists. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., Publishers, 20 HAMBLETON, R.K.; SWAMINATHAN, H.; ROGERS, H.J. Fundamentals of Item Response Theory. Newburry Park: Sage Publications, 1991
KOLEN, M.J.; BRENNAN, R.L. Test Equating ? Methods and Practices. New York: Springer, 1994
LORD, F.M.; NORVICK, M.R. Statistical Theories of Mental Test Score. Reading: Addison-Wesley, 1968.
LORD, F.M. Applications of Item Response Theory to Practical Testing Problems. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1980.
MESBAH, M.; COLE, B.F.; LEE, T.M. Eds. Statistical Methods for Quality of Life Studies. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2002.
MGA310009 – Análise de Regressão e Modelos Hierárquicos
PROFESSOR Pedro Alberto Barbetta
EMENTA Modelo linear geral, regressão linear e não-linear, teste de hipótese e Análise gráfica de resíduos. Outliers. Intervalo de confiança e de previsão, variáveis independentes binárias, distribuição F, Algoritmos de seleção de variáveis. Exemplos de regressão em avaliação. O Modelo Linear Hierárquico nulo de dois níveis, decomposição da variabilidade, O Modelo Linear Hierárquico de dois níveis com variáveis do nível 1, O Modelo Linear Hierárquico de dois níveis com variáveis dos níveis 1 e 2, A Escolha da Locação dos Preditores, Análise de dados do SAEB, O modelo de três níveis. Aplicações em solução de problemas práticos em decisão e modelagem científica a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de congressos.
BIBLIOGRAFIA ALVES, M.T.G.; SOARES, J.F. Medidas de nível socioeconômico em pesquisas sociais: uma aplicação aos dados de uma pesquisa educacional. Opinião Pública, Campinas, v. 15, n. 1, Junho 2009.
CHATTERJEE, S.; HADY, A. S.; PRICE, B. ? Regression Analysis by Example. 3 ed. USA: John Wiley, 2000.
CHRNET, R.; FREIRE, C.A.L.; CHARNET, E.M.R.; BONVINO, H. Análise de Modelos de Regressão Linear: com aplicações. Editora Unicamp, 2a. edição, 2008.
DRAPER, N.R.; SMITH, H. Applied Regression Analysis. Editora Wiley, 3a. edição, 1998.
FARAWAY, J.J. Practical Regression and Anova using R, 2002.
MONTGOMERY, D.C.; PECK, E. A. – Introduction to Linear Regression Analysis – New York – Ed. John Wiley & Sons – 1982.
NATIS, L. Modelos Lineares Hierárquicos. Dissertação de Mestrado. Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, 2000.
NETER, J.; KUTNER, M.l; WASSERMAN, W.; NACHSTEIM, C.. Applied Linear Statistical Models. Editora McGraw-Hill/Irwin, 4a. edição, 1996.
RAUDENBUSH, S. W.; BRYK, A. Hierarchical Linear Models: Applications and Data Analysis Methods. 2ª Edição. Thousand Oaks: Sage Publications, 2007.
RAUDENBUSH, S. W; WILLMS, J. D. The Estimation of School Effects. Journal of Educational and Behavioral Statistics, vol. 20, nº 4, p. 307-335, 1995.
SAMEJIMA, F. Estimation of latent ability using a response pattern of graded scores. Psychometrika, New York, v. 17, 1969. Monograph
Supplement , n. 4, Part 2 SOARES, J.F. O efeito da escola no desempenho cognitivo de seus alunos in SOUZA, Alberto. Dimensões da Avaliação Educacional. Petrópolis: Vozes p. 174-203, 2005.
SOARES, J.F. Indicador do nível socioeconômico das escolas dos inscritos no ENEM 2006 a 2008. Relatório Técnico. São Paulo: Avalia Assessoria Educacional, 2009.
SOARES, J.F. Qualidade da Educação: Monitoramento de Escolas in I Colóquio Luso-Brasileiro de Sociologia da Educação, 2009, Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 2008
MGA310012 – Gestão de Sistemas de Informação
PROFESSOR Alexandre Moraes Ramos
EMENTA Conceitos de sistemas e tecnologia da informação (SI/TI). Administração na era da informação. Uso e gestão de TI para revitalizar os problemas organizacionais e melhorar a tomada de  decisão. O papel operacional, gerencial e estratégico da tecnologia de informação nas organizações. Sistema de Informação Gerencial – SIG. Sistemas de apoio à decisão. Desenvolvimento de indicadores de desempenho.
Aspectos comportamentais e políticos no desenvolvimento do sistema de informações: desafios humanos gerenciais de uma nova realidade hiper-informada. Tecnologias de inteligências. A informação como recurso estratégico para a tomada de decisão. Administração estratégica da informação. Governança integrada de dados.
BIBLIOGRAFIA ALBERTIN, Alberto Luiz ; Albertin, Rosa Maria de Moura. Tecnologia de Informação e Desempenho Empresarial. São Paulo: Atlas, 2005.
______. Administração de informática: funções e fatores críticos de sucesso. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2004.
ALBERTIN, Alberto Luiz; ALBERTIN, Rosa Maria de Moura. Aspectos e contribuições do uso de tecnologia de informação. São Paulo: Atlas, 2006.
AUDY, Jorge L. N.; BRODBECK, Ângela F. Sistemas de Informação: planejamento e alinhamento estratégico nas organizações. Porto Alegre: Bookman, 2003.
BALDAM, Roquemar; VALLE, Rogério; PEREIRA, Humberto; HILST, Sérgio; ABREU, Maurício; SOBRAL, Valmir. Gerenciamento de Processos de Negócios – BPM – Business Process Management. São Paulo: Érica, 2005. 240 p. BEAL, Adriana. Segurança da informação: princípios e melhores práticas para a proteção dos ativos de informação nas organizações. São
Paulo: Atlas, 2005. 180 p. BOGHI, Claudio; SHITSUKA, Ricardo. Sistemas de Informação: um enfoque dinâmico. 3 ed. São Paulo: Erika, 2002.
CARDOSO, Mário S. CRM em ambiente E-business: como se relacionar com clientes, aplicando novos recursos da web. São Paulo: Atlas, 2001. 160 p. COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de ERP. São Paulo: Atlas, 2001.
GRAEML, Alexandre Reis. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: O Alinhamento da Estratégia de TI com a Estratégia Corporativa. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2003. 160 p. GREENBERG, Paul. CRM na velocidade da luz. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
HELDMAN, Kim. Gerência de projetos: guia para o Exame Oficial do Pmi. 2 ed. Rio de Janeiro : Campus, 2006.
JOHNSON, Grace E.; SATHLER, André. Sistemas de Informações: administração em tempo real. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.
KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Alinhamento: utilizando o Balanced Scorecard para criar sinergias corporativas. Rio de Janeiro : Campus, 2006.
LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de informação gerenciais: administrando a empresa digital. São Paulo: Prentice Hall, 2004.
LAURINDO, Fernando.J.B. Tecnologia da Informação: eficácia nas organizações. São Paulo: Futura, 2002, 248 p. LAURINDO, Fernando.J.B. Estratégias para Competitividade. São Paulo: Futura, 2003.
MAGALHÃES, Ivan L.; PINHEIRO, Walfrido B. Gerenciamento de serviços de ti na prática: uma abordagem com base na ITIL. São Paulo: Novatec, 2007.
MANAS, Antonio V. Administração de Sistemas de Informação. 7 ed. São Paulo: Futura, 2003.
MCGEE, James.; PRUSACK, Laurence. Gerenciamento Estratégico da Informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.
POTTER, Richard E.; TURBAN, Efraim; RAINER JR, R. Kelly. Administração de Tecnologia da Informação. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2005.
REZENDE, Denis A. Tecnologia da informação integrada à inteligência empresarial: alinhamento estratégico e análise da prática nas organizações. São Paulo: Atlas, 2002.
_____. Planejamento de sistemas de informação e informática: guia prático para planejar a Tecnologia da Informação integrada ao planejamento estratégico das organizações. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2007.
ROSSINI, Alessandro M.; PALMISANO, Ângelo. Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. São Paulo : Thomson, 2003.
SOUZA, Cesar A.; SACCOL, Amarolinda Z. Sistemas ERP no Brasil: teoria e casos. São Paulo : Atlas, 2003.
STAIR, Ralph M.; REYNOLDS, George W. Princípios de sistemas de informação. 5 ed. São Paulo : Thomson, 2005.
SWIFT, Ronald S. CRM. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
VIEIRA, Marconi F. Gerenciamento de projetos de tecnologia da informação. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2006.
TAPSCOTT, Don; WILLIAMS, Anthony D. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. 368 p. TURBAN, Efraim; RAINER JR, R. Kelly; POTTER, Richard E. Introdução a sistemas de informação: uma abordagem gerencial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
YIN, Robert. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.
MGA310016 – Inovação em Gestão da Avaliação
PROFESSOR Fernando Alvaro Ostuni Gauthier
EMENTA Origens Econômica e Sociológica do Processo de Inovação (Pensamento de Schumpeter). Visões da Inovação e da Evolução Tecnológica. Conceitos de inovação; Tipos de inovação. Importância da inovação; Características das instituições inovadoras. Aptidões e papéis no processo de inovação. Gestão da mudança. Cultura organizacional e inovação. Organização para a inovação. Indicadores de inovação. Tendências de inovação em métodos e gestão da avaliação.
BIBLIOGRAFIA BERKUM, Scott. Mitos da Inovação. Rio de janeiro: Editora Alta Books, 2007.
BESORA, F. C. A Inovação e o Projeto de Produto: Sua Importância na Pequena e Média Empresa. Florianópolis: UFSC. Dissertação (mestrado), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 1998.
BRANDÃO, Vladimir. Brasil inovador: o desafio empreendedor: 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação. Coordenação Carlos Ganem e Eliane Menezes dos Santos. Brasília : IEL ? NC, 2006.
CHRISTENSEN, C. M. ?O crescimento pela Inovação ? como crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso?. São Paulo: Campus, 2003.
CHRISTENSEN, C. M.; ANTHONY, S. D.; ROTH, E. A. O futuro da Inovação. São Paulo: Atlas, 2ª edição, DAVILA, T.; EPSTEIN, M.; SHELTON, R. As regras da inovação ? como gerenciar, como medir e como lucrar. São Paulo: Bookman, 2005.
FAVA-De-MORAES, Flavio. Universidade, inovação e impacto socioeconômico. São Paulo Perspec., São Paulo, Jul 2000, v.14, n.3, p.8-11. ISSN 0102-8839.
GRIZENDI, Eduardo. Processos de inovação: modelo linear x modelo interativo. Disponível em:
http://www.institutoinovacao.com.br/downloads/eduardo_grizendi.pdf. HALL, B. Innovation and Diffusion, Chapter 17 in J. Fagerberg, D. Mowery and R.R. Nelson (eds.), The Oxford Handbook of Innovation, Oxford University Press, Oxford, 1995.
HARVARD BUSINESS REVIEW. Implementando a Inovação. Rio de janeiro: Editora Campus, 2007.
INDG. Gestão da inovação. Disponível em: http://www.indg.com.br/gi/. KHUN, T 1962. The structure of scientific revolutions. University of Chicago Press, Chicago. KLINE, S.J.; N. ROSENBERG. An Overview of Innovation, in R. Landau and N. Rosenberg (eds.), The Positive Sum Strategy: Harnessing Technology for Economic Growth, National Academies Press, Washington D.C, 1986.
LAM, A. Organizational Innovation, Chapter 5 in J. Fagerberg, D. Mowery and R.R. Nelson (eds.), The Oxford Handbook of Innovation, Oxford University Press, Oxford, 2005.
LUNDVALL. B-A 1988. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In G Dosi, C Freeman, R Nelson, NELSON R (ed.) 1993. National innovation systems: a comparative study. Oxford University Press, Nova York. Nelson R & Winter S 1982.
An evolutionary theory of economic change. Harvard University Press, Cambridge. OECD (Organization for Economic Co-operation and Development) 1992. Technology and economy ? the key relationships. The Technology/Economy Program Paris. OECD 1997. The measurement of scientific and technological activities. Proposed guidelines for collecting and interpreting technological innovation data. Oslo Manual. European Commission Eurostat. OSLO MANUAL: Guidelines for Collecting and Interpreting. OECD/European Communities, 2ª edição, 1997.
RICYT/OEA/CYTED (Red Iberoamericana de Indicadores de Ciencia y ecnología/Organización de Estados Americanos/Programa CYTED) 2001. Normalización de indicadores de innovación tecnológic en América Latina y el Caribe.Manual de Bogotá. RIFKIN, Jeremy. La Era del Acesso. Ediciones Paidós Ibérica, Barcelona, 2000.
SALAZAR, M.; HOLBROOK. A. A Debate on Innovation Surveys, Science and Public Policy, 31, 4, 2004.
TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.
VAN AKEN, Joan E.; WEGGEMAN, Mathieu P. Managing learning in informal innovation networks: overcoming the Daphne-dilemma. In: R&D Management, 30, 2, 2000, P.139-149.
MGA310021 – Metodologia da Pesquisa Técnico-Científica I
PROFESSORA  Patrícia de Sá Freire
EMENTA  Ciência, pesquisa e conhecimento técnico-científicos. Métodos e técnicas para coleta, tratamento e análise de dados teórico-empíricos de pesquisa. Protocolos de revisão sistemática da literatura e de trabalhos acadêmicos.
BIBLIOGRAFIA CRESWELL, J. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre : Artmed Bookman, 2007.
FREIRE, P.S. Aumente a qualidade e quantidade de suas produções científicas. Curitiba: Editora CRV, 2013.90 p.
PHILIPPI JR., A.; FERNANDES, v. Práticas da interdisciplinaridade no ensino e pesquisa. 1 ed. São Paulo: Manole, v. 1, 2015
PHILIPPI JR., A.; SILVA NETO, A. J. da. (Orgs.). Interdisciplinaridade para o desenvolvimento da ciência, inovação e tecnologia. 1 ed. São Paulo: Manole, v. 1, 2010.
WHETTEN, D. A. O que constitui uma contribuição teórica? Revista de Administração de Empresas. jul-set, 2003. p. 69- 73.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NBR 14724: informação e documentação, trabalhos acadêmicos, apresentação. Rio de Janeiro, 2005.
BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de área 2009: área de avaliação: interdisciplinar. 2010.
GIL A.C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas. 2009.
KOCHE, J. C. Fundamentos da metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
MGA310022 – Metodologia da Pesquisa Técnico-Científica II
PROFESSORA Patrícia de Sá Freire
EMENTA Ciência, pesquisa e conhecimento técnico-científicos. Ciências básicas, ciência aplicada e tecnologia. Estrutura do trabalho acadêmico, artigos como projetos e dissertações. Escolha do tema. Contextualização e problematização do tema. Compreensão de problemas Técnico-Científicos. A elaboração de questões e objetivos de pesquisa. Estudos exploratórios e referenciais teórico-empíricos. Criação de teorias científicas, modelos tecnológicos e validação de resultados. Metodologia geral e tipos de pesquisa.
BIBLIOGRAFIA CRESWELL, J. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre : Artmed Bookman, 2007.
FREIRE, P.S. Aumente a qualidade e quantidade de suas produções científicas. Curitiba: Editora CRV, 2013.90 p.
MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos de pesquisa bibliográfica, projeto e relatório; publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 225 p.
PHILIPPI JR., A.; FERNANDES, v. Práticas da interdisciplinaridade no ensino e pesquisa. 1 ed. São Paulo: Manole, v. 1, 2015
PHILIPPI JR., A.; SILVA NETO, A. J. da. (Orgs.). Interdisciplinaridade para o desenvolvimento da ciência, inovação e tecnologia. 1 ed. São Paulo: Manole, v. 1, 2010.
SOMMERMAN, A.. Inter ou Transdisciplinaridade? Da fragmentação disciplinar ao novo diálogo entre os saberes. São Paulo: Paulus. Coleção Questões Fundamentais da Educação. 75 pp, ISBN 85-349- 2453-8, 2006.
WHETTEN, D. A. O que constitui uma contribuição teórica? Revista de Administração de Empresas. jul-set, 2003. p. 69- 73.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NBR 14724: informação e documentação, trabalhos acadêmicos, apresentação. Rio de Janeiro, 2005.
BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de área 2009: área de avaliação: interdisciplinar. 2010.
GIL A.C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas. 2009.
KOCHE, J. C. Fundamentos da metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
MGA310023 – Metodologia da Pesquisa Técnico-Científica III
PROFESSORA Patrícia de Sá Freire
EMENTA Ciência, pesquisa e conhecimento técnico-científicos. Métodos, técnicas e ferramentas para coleta, tratamento e análise de dados teórico-empíricos de pesquisa. Identificação de instrumentos validados. Construção de instrumentos e validação. Verificação prévia, interna e externa.
BIBLIOGRAFIA CRESWELL, J. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre : Artmed Bookman, 2007.
FREIRE, P.S. Aumente a qualidade e quantidade de suas produções científicas. Curitiba: Editora CRV, 2013.90 p.
MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos de pesquisa bibliográfica, projeto e relatório; publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 225 p.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NBR 14724: informação e documentação, trabalhos acadêmicos, apresentação. Rio de Janeiro, 2005.
BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de área 2009: área de avaliação: interdisciplinar. 2010.
GIL A.C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas. 2009.
KOCHE, J. C. Fundamentos da metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.